PortalNippon = O seu conteúdo digital do Japão

Sábado, Feb 25th

Últimas atualizações01:06:59 PM JST

Você está aqui Nippon News Mundo Coreia do Norte lança dois mísseis de curto alcance

Coreia do Norte lança dois mísseis de curto alcance

coreia-do-norte-missil-2

A Coreia do Norte lançou nesta segunda-feira (03) dois mísseis de curto alcance a partir de seu litoral oriental, informou o Ministério da Defesa sul-coreano, que considerou o lançamento, o segundo do tipo em quatro dias, como uma "provocação" em protesto pelas manobras militares conjuntas da Coreia do Sul com os Estados Unidos.

Os dois foguetes foram lançados em direção ao mar por volta das 6h19 (18h19 de Brasília do domingo).

Um foi lançado da base de Gitdaeryeong, enquanto o outro saiu de um ponto próximo da cidade litorânea de Wonsan, entre 60 e 100 quilômetros da fronteira entre as duas Coreias, respectivamente.

"Acreditamos que os mísseis percorreram cerca de 500 quilômetros", explicou o porta-voz do Ministério da Defesa Kim Min-seok, em declarações divulgadas pela agência "Yonhap".

Acredita-se que os dois mísseis eram do tipo Scud-C, baseados em um projeto concebido pela União Soviética nos tempos da Guerra Fria.

"A Coreia do Norte deve acabar imediatamente com esses atos provocativos", afirmou o porta-voz da Defesa, que acrescentou que o Exército da Coreia do Sul intensificou sua vigilância contra novas "provocações".

Na última quinta-feira, o regime de Pyongyang lançou ao mar quatro mísseis Scud a partir da mesma região.

Os testes com foguetes acontecem em um momento no qual os Estados Unidos e a Coreia do Sul realizam seus exercícios militares anuais no sul da península, manobras que foram duramente criticadas por Pyongyang, que as considera como um ensaio para a invasão do território norte-coreano.

A realização dos exercícios e a resposta de Pyongyang ameaçam o relativo clima de aproximação conseguido nos últimos dias entre os dois países.

As duas Coreias continuam tecnicamente em guerra, já que o conflito entre os dois países (1950-53) terminou com um cessar-fogo ao invés de com um tratado de paz definitivo.

EFE


asaki-ueji_footer